05/12/2006
Distúrbios musculoesqueléticos: Diagnóstico diferencial

DISTÚRBIOS MUSCULOESQUELÉTICOS: DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL


As lesões específicas dos tecidos moles do aparelho locomotor apresentam alta incidência, assim como os distúrbios dolorosos inespecíficos, tais como dores musculares, tendíneas e na coluna vertebral.  Saiba Mais

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE DORES REGIONAIS


Dor no Pescoço
A dor na região cervical origina-se, usualmente, de um distúrbio mecânico ou musculoesquelético indefinido. Quando aguda, surge com marcante hipomobilidade. O quadro clínico crônico é pouco entendido. Saiba Mais


Dor no ombro
A maioria das causas de dor nesta região é diagnosticada por cuidadosa história clínica e exame físico. A dor da tendinopatia ocorre com a movimentação ativa e contra a resistência. Os movimentos passivos tendem a ser indolores. Em fases precoces de capsulite e artrite glenoumeral todos os movimentos, ativos e passivos, são dolorosos. Saiba Mais


Dor no cotovelo
As lesões dos tecidos moles, tais como a epicondilite lateral e a bursite olecraniana, são bem mais freqüentes do que as lesões articulares nessa região. Os diagnósticos dos distúrbios do cotovelo são fortemente baseados nas características da dor, local do inchaço, presença de sensibilidade dolorosa e os achados da movimentação. Saiba Mais


Dor no Punho e na Mão
Principais causas de dor no punho e na mão. Saiba Mais 


Dor no Quadril
Principais causas de dor no quadril. Saiba Mais


Dor no Joelho
Principais causas de dor no joelho. Saiba Mais


Dor no tornozelo e no pés
Principais causas de dor no tornozelo e no pé.Saiba Mais


Dor lombar
A origem anatômica da dor lombar mecânica, responsável por mais de 90% dos episódios de dor nessa região, não pode ser diferenciada de maneira precisa.Daí a importância de reconhecer as causas não-mecânicas. Saiba Mais

IMPACTO SOCIOECONÔMICO DAS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS


Os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT) representam um conjunto heterogêneo de afecções musculoesqueléticas ocupacionais que são decorrentes de sobrecargas biomecânicas. A sigla LER (Lesões por Esforços Repetitivos) foi recentemente substituída pelo acrônimo DORT basicamente por dois motivos: (1) a ocorrência de lesão tecidual tem sido evidenciada apenas em uma minoria dos casos e (2) essas afecções podem decorrer de diversos tipos de sobrecargas além do esforço repetitivo como, por exemplo, sobrecargas estáticas, excesso de força empregada nas tarefas laborativas, posturas inadequadas, excesso de vibrações, entre outras. Saiba Mais 

 
 
  Outras notícias